Cida Falabella atuou para congelar salário dos vereadores de BH

Como uma forma de combater os privilégios políticos, a vereadora Cida Falabella atuou na Câmara Municipal para impedir o aumento de salário dos vereadores e contribuiu no acordo, entre os colegas parlamentares, para congelar os vencimentos até o fim da próxima legislatura, em 2024.

Atualmente, o salário de um vereador está estipulado em R$ 18.402,02, valor elevado se comparado com o salário médio da população que não chega a 2 mil reais.

Por isso, Cida também é defensora da criação de uma lei para a redução dos subsídios dos vereadores, possibilitando assim a construção de outra ética política, na qual os cargos públicos não são entendidos e usufruídos como possibilidade de carreiras vantajosas, além de evitar o abismo salarial que separa agentes públicos da população.

A lei para redução de salários, no entanto, só pode ser feita pela mesa diretora da Câmara Municipal, da qual a vereadora não faz parte.

Outra defesa de Cida foi pelo fim do auxílio-paletó, uma “ajuda de custo” dada aos vereadores equivalente a um salário no início e no final de cada legislatura. Também este auxílio foi cortado.

Doação de salários

Desde 2017, Cida doa parte de seu salário, uma prática que a vereadora adota como compromisso firmado ainda nas campanhas. O recurso foi doado para ações da cidade a partir do CÊ FRAGA?, uma chamada pública que reconheceu e cartografou ações sociais e culturais em Belo Horizonte, contemplando 34 iniciativas da cidade e destinando mais de R$ 160 mil. No ano de 2020, os recursos foram destinados para ações de solidariedade a iniciativas duramente atingidas pela pandemia.

Se reeleita, Cida se compromete novamente a dar continuidade à prática e seguir com o compromisso de desconstrução dos privilégios.